Pontos principais da apresentação do educador de Douglas Belchior na oficina para educadores da Escola de Cidadania de Sapopemba em 11 de março de 2016.

 

  • Hoje privilegiamos a visão. Escutava-se mais o rádio no passado. Hoje temos dificuldade em ouvir.

  • A TV revolucionou a comunicação de massa. A história recente do Brasil anda de mãos dadas com a rede Globo.

  • Sentimos e pensamos sobre o nosso sentir conforme os 500 anos de dominação do Brasil. Esta história está em nosso sentir e nosso pensar.

  • Se não faço perguntas é porque não entendi nada ou porque entendi tudo! Para fazer perguntas devo primeiro entender e para entender devo primeiro ouvir. Isso é muito difícil hoje.

  • Hoje tudo é opinião. A opinião de um contra a opinião do outro.

  • A construção da consciência política, porém, se dá em cada um/a sair de casa com sua própria opinião, se reunir com companheiros/as, discutir, debater, confrontar-se e voltar para casa com uma opinião formada, amadurecida, politizada e coletiva. É isso que precisa e que se faz pouco.

  • Cada um/a ficando com sua ideia, seremos divididos, dominados.

  • O aluno não prestar atenção na sala de aula àquilo que não lhe interessa é sinal de inteligência. O cérebro humano descarta as informações não importantes (como um coador de espaguete – só interesse o espaguete!).

  • Frei Betto nos deu o maior princípio epistemológico: A CABEÇA PENSA ONDE OS PÉS PISAM.

  • Esta é a razão da perda do sonho, do projeto por parte do PT e dos setores progressistas: o distanciamento do chão da vida do povo.

  • Quem não pisa no chão da vida do povo, manda e decide sobre a vida do povo.

  • Também não basta o pé no barro. Isto pode nos fazer sentir bem, pode nos dar certo conforto. Estamos fazendo a “coisa certa”.

  • Precisamos articular a realidade dura da ponta com a realidade da política grande porque tem tudo a ver.

  • Se não discutimos o sistema, só estaremos enxugando gelo.

  • Correr quando ocorre uma abordagem violenta da polícia pode livrar esse adolescente de ser espancado naquele momento, mas a polícia, o judiciário, o sistema não mudará.

  • Se acontece isso que está acontecendo com Lula, o que é que vai acontecer com o adolescente, com o Geovane? Obs. Geovane é um jovem que estava numa trajetória de grande esperança em sua vida e que foi preso depois da decisão recente do STF que a prisão pode acontecer depois da sentença em segunda instância. Exemplo usado por Douglas para mostrar o que a Lava Jato tem a ver com a vida de cada uma de nós.

  • É precisa juntar o pé com a cabeça.

  • O vídeo do velhinho jogando xadrez (link em baixo) tem a ver com: estratégias; jogar contra nós mesmos; criar um mundo irreal; projeção; saber quem é o inimigo; roubar ou derrotar a si mesmo.

  • A mídia não existe fora do nosso mundo. Ela estuda nosso mundo. Somo nós o laboratório que a mídia usa para nos devolver o que ela quer para os fins dela.

  • A mídia tem um enorme poder de criar a narrativa dominante e o discurso aceitável.

  • Importante usar todos os sentidos. Entender o que está por trás das palavras.

  • Ruben Alves: a política é a mais elevada e nobre vocação = política como vocação. Também a mais sacana profissão = política como profissão.

  • Ruben Alves: educar é despertar a curiosidade, provocar a inteligência, não dar as respostas, mas ensinar como fazer as perguntas certas e despertar sempre novas perguntas. As respostas estão nos livros, na internet! 

  • O que a gente fala como educador, o outro ouve. Temos que oferecer uma ideia diferente do discurso hegemônico.

  • SER EDUCADOR SOCIAL SEM VOCAÇÃO É DESONESTO!  

 

VÍDEO UTILIZADO POR DOUGLAS:

Velhinho jogando xadrez – Animação

Rubens Alves sobre O papel do professor

Marco Antonio Villa x Paulo Frateschi (debate na TV Cultura depois dos ataques a Lula)

Bemvindo Siqueira: Lula Preso? Não! Solto no Meio Deles! (sobre a condução coercitiva contra Lula; muito bom!!!)

 

A Cabeça Pensa Onde os Pés Pisam!